Café - Informativo Coffee Break

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

01/10/2013 09:15:01

 

Perda de renda na cafeicultura faz CNA pedir suspensão automática do pagamento das parcelas do crédito rural

Queda de 40% dos preços da variedade arábica motivou pedido, que está sendo avaliado pelo governo federal Diante da grave crise enfrentada pelos produtores de café - os preços da saca de arábica recuaram 40% desde o início de 2012 -, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) solicitou a suspensão automática do pagamento das parcelas de crédito rural da cafeicultura por um período de 90 dias.

 

 

Queda de 40% dos preços da variedade arábica motivou pedido, que está sendo avaliado pelo governo federal

Diante da grave crise enfrentada pelos produtores de café - os preços da saca de arábica recuaram 40% desde o início de 2012 -, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) solicitou a suspensão automática do pagamento das parcelas de crédito rural da cafeicultura por um período de 90 dias. O ofício com a solicitação foi encaminhado pela presidente da CNA, senadora Kátia Abreu, à Casa Civil da Presidência da República e aos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Fazenda.

Neste período, será formado um grupo de trabalho para avaliar a situação da cafeicultura. Após a análise, serão apresentadas ao governo sugestões para solucionar de forma definitiva o problema do setor.

Para agilizar o processo, a CNA e o Conselho Nacional do Café (CNC) já iniciaram um levantamento de dados sobre o nível de endividamento dos produtores de café. Os dados estão sendo colhidos junto a cooperativas de produção, de crédito e bancos. 

Para justificar os pedidos, a CNA alerta para a gravidade da situação atual, de perda de renda e de elevação do nível de endividamento do setor. A tendência de queda dos preços do grão persistiu nas últimas semanas, mesmo com a intervenção do governo no mercado interno, por meio dos leilões de contratos de opção de venda.

“Grande parte dos produtores comercializam o café a preços inferiores ao custo de produção e enfrentam dificuldades para quitar as parcelas de crédito rural”, afirma o presidente da Comissão Nacional do Café da CNA, Breno Mesquita.

Opções – O governo ofertou nas últimas três semanas contratos de opção de venda para o café. Os títulos têm vencimento programado para março de 2014, com preço de referência de R$ 343 por saca de 60 quilos. A meta é sustentar o preço de 3 milhões de sacas de café, divididas em 30 mil contratos de 6 toneladas cada. Nos leilões, não houve interesse por 4.058 contratos, lotes que, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), serão reofertados.

No caso das opções, a CNA solicitou à Conab que armazéns privados também sejam credenciados para receber o café que pode ser entregue no exercício dos contratos. O governo divulgou apenas a lista de armazéns públicos que podem receber o produto. A medida é necessária porque alguns municípios produtores estão muito distantes desses armazéns, inviabilizando economicamente a entrega do produto pelo cafeicultor. 

 

 

 

 

PUBLICIDADE

 

 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

 

Sabor Café

 

Receitas

colunas

 

Retrospectva

© 2010 Coffee Break. Todos os direitos reservados.