Degustação Cafés Exóticos

10:19:49 -

Fonte: Rede Social do Café


Colômbia prevê aumento de produção de café com controle de praga

10:25:33 -

O controle da praga da ferrugem do café e o programa de renovação dos cafezais permitirá um crescimento constante da produção do grão na Colômbia em 2014, afirmou nesta quarta-feira Juan Esteban Orduz, presidente da Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia.

'O problema da ferrugem do café está sob controle, graças, em parte, à produção de variedades resistentes a este fungo e ao programa de renovação de cafezais', destacou Orduz, que participa em Belo Horizonte da reunião de 50 anos da Organização Internacional do Café (OIC).

A Colômbia prevê uma produção de café para 2013 de cerca de dez milhões de sacas (de 60 quilos) e quer aumentar esse volume nos próximos anos.

Para Orduz, o principal problema enfrentado agora no país é a queda dos preços do grão, que no caso colombiano foi de aproximadamente 50% nos últimos dois anos.

Essa redução nos preços, junto do aumento dos custos, deixou os cafeicultores em uma situação 'apertada', o que provocou greves como as protagonizadas pelo setor agrícola na Colômbia em agosto.

'Os cafeicultores têm toda a razão', ressaltou Orduz, um dos delegados da Colômbia na OIC.

Ele também comentou as declarações realizadas na segunda-feira pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, sobre a possibilidade de permitir importação de café de outros países, como a Colômbia, para melhorar suas misturas de torrefação.

'Se o Brasil vai a fazer um programa consistente de importação de grãos de qualidade para melhorar o blend de café que produz e consome, o parceiro mais estável é a Colômbia. Se isso é o que Brasil propõe, estamos prontos para vender o que quiserem', afirmou.

O presidente dos Cafeicultores da Colômbia lembrou que o país é o maior produtor de café arábico suave lavado e garantiu que o país está capacitado para fornecer durante todo o ano 'café fresco, de alta qualidade e consistente'.

A Colômbia baseia sua produção de café na 'qualidade' e na 'diferenciação', por isso considera importante que os cafeicultores passem por um processo de certificação do café para obter um preço melhor no mercado.

Dos 560 mil cafeicultores hoje na Colômbia mais de 150 mil têm algum tipo de certificação, valorizou Orduz.

 

Fonte: Agência EFE + MSN Notícias 

 


Café tem a maior alta em oito semanas no Brasil

10:33:05 -

O café no mercado futuro teve a maior alta em mais de oito semanas, na bolsa de Nova Iorque. Analistas apontam diferentes causas para a elevação, entre elas, as medidas de apoio para a comercialização do café divulgadas pelo governos, na safra de 2013, e até uma possível seca que poderá danificar safras em regiões produtoras. 

Em matéria publicada hoje, a Bloomberg afirma que uma seca poderia afetar a produtividade do café no Brasil. O site cita informações da organização americana de monitoramento climático World Weather, baseada em Kansas. Segundo suas previsões, a primeira florada do café, que aconteceu depois das chuvas da semana passada, poderá ser danificada pelo clima seco que atinge algumas regiões produtoras do país. "Há preocupações de que o clima seco no Brasil cause danos às plantas que já floresceram", informa Sterling Smith especialista do Citigroup, em Chicago.

Porém, esta previsão de seca não é confirmada por meteorologistas brasileiros. De acordo com Olívia Nunes, da Somar Meteorologia, a estiagem atual é normal para esta época do ano, é típica da condição de inverno. Ela afirma ainda que pancadas de chuvas são esperadas para diversas regiões do país, como Paraná e sul de Minas Gerais, já no final do mês de setembro. 

 

Medidas governamentais
Eduardo Carvalhaes, analista do mercado de café, também defende que ainda é cedo para dizer que uma seca poderá danificar a safra de café no Brasil. "Floradas que acontecem antes do tempo podem mesmo sofrer danos". No entanto, essa situação pode ser facilmente revertida com chuvas nas próximas semanas. Carvalhaes diz ainda que a alta do mercado pode ter sido influenciada pelas medidas de apoio à comercialização do café, anunciadas pelo governo. Esta semana, o governo confirmou o repasse dos recursos do Funcafé aos bancos e a confirmação do leilões de opções de vendas para 3 milhões de sacas.

De acordo com informações da Bloomberg, apesar da atual alta, os preços do café ainda não se recuperaram da que de mais de 19% registrada este ano, devido aos sinais de uma ampla oferta global. Esta semana, a Conab reduziu em 2,3% suas estimativas de safra para 2013, caindo de 48,49 milhões de sacas, previstas em maio, para 47,54 milhões. O governo dos Estados Unidos prevê que a produção mundial de café em 2013/14 irá exceder a demanda pelo quarto ano consecutivo. 

 

Alta limitada
Segundo John Caruso, corretor de commodities na RJO, em Chicago, "A redução nas estimativas de safra também estão apoiando os preços", ainda assim, segundo ele "as altas serão limitadas, já que a oferta global continua ampla". 

Fonte: Bloomberg.

 


Funcafé repassa recursos para 26 bancos no total de 3,16 bilhões de reais

10:49:36 -

O Departamento do Café da Secretaria de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) assinou contratos com 26 agentes financeiros para repasses de recursos de R$ 3,16 bilhões autorizados do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) na safra 2013. O dinheiro já disponibilizado financia as operações de custeio, investimento, colheita, estocagem, aquisição de café, capital de giro para a indústria e linha extraordinária de crédito destinada à composição de dívidas de produtores.

Os extratos dos contratos assinados com o bancos foram publicados em edições do Diário Oficial da União entre os dias 15 e 20 agosto e 6 e 11 de setembro. São eles o Banco ABC Brasil, Banestes, Banco BNP Paribas Brasil, Banco BPN Brasil, Banco Bradesco, Banco CITI, Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob), Banco do Brasil, Banco Fibra, Banco Original, Bicbanco, Itaú S.A., Itaú BBA, Rabobank, Banco Pine, Santander Brasil, Ribeirão Preto, Votorantim, Banco Tokyo, Cooperativa Central de Crédito de Minas Gerais (Crediminas), Credivar, Cooperativa Central de Crédito do Espírito Santo, Agrocredi, Cooperativa de Crédito Rural de Patrocínio (Coopacredi), Cooperativa de Crédito da Região de Alpinópolis e Cooperativa de Crédito do Carmo do Rio Claro.

Conforme distribuição dos recursos do Funcafé para 2013, no total de R$ 3,16 bilhões, foram destinadas para as operações de crédito de custeio até R$ 650 milhões; para estocagem, R$ 1,14 bilhão; para financiamento para aquisição de café, R$ 500 milhões; para financiamento de contratos de opções e operações em mercados futuros, R$ 50 milhões e para recuperação de cafezais danificados, R$ 20 milhões. Também foram distribuídos recursos para o financiamento de capital de giro para as indústrias de café solúvel de até R$ 150 milhões. Já para as indústrias de torrefação de café, até R$ 200 milhões, e para as cooperativas de produção, R$ 450 milhões.

E no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 11 de setembro, a publicação lista a liberação de R$ 1 bilhão do Funcafé para o Banco do Brasil. A distribuição ficou da seguinte forma:

- até R$ 160.640.000,00 (cento e sessenta milhões seiscentos e quarenta mil reais) para operações de Custeio;
- até R$ 283.994.000,00 (duzentos e oitenta e três milhões novecentos e noventa e quatro mil reais) para operações de Estocagem;
- até R$ 141.176.000,00 (cento e quarenta e um milhões cento e setenta e seis mil reais) para operações de Aquisição de Café - FAC;
- até R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais) para operações de Contratos de Opções e de Operações em Mercados Futuros;
- até R$ 80.000.000,00 (oitenta milhões de reais) para operações de Capital de Giro para a Indústria de Torrefação de Café;
- até R$ 66.623.000,00 (sessenta e seis milhões seiscentos e vinte e três
mil reais) para operações de Capital de Giro para a Indústria de Café
Solúvel;
- até R$ 242.568.000,00 (duzentos e quarenta e dois milhões quinhentos e sessenta e oito mil reais) para operações de Capital de Giro para Cooperativa de Produção; e
- até R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) para operações de Recuperação de Cafezais Danificados.

 

Fonte: Mapa 

 


www.coffeebreak.com.br
criado em 12/09/2013