Cotações nas bolsas

- 05071999


Mercado físico

- 05071999


Londres cai novamente e Nova Iorque vive feriado

- A segunda-feira foi um dia de poucas movimentações no mercado de café. No físico, foram escassos os negócios, refletindo o cenário das semanas anteriores. Enquanto isso, Nova Iorque não teve pregão, devido ao feriado do Dia da Independência Americana e os preços da Coffee, Sugar and Cocoa Exchange não puderam servir de referencial para o mercado brasileiro. Londres, por sua vez, manteve a queda que já vem sendo registrada há alguns dias.

O índice Liffe apresentou queda de 11 dólares para julho, com 1279 dólares a tonelada; setembro teve queda de 17 dólares, com 1302 dólares a tonelada, enquanto que novembro recuou 20 dólares, fechando em 1301 dólares a tonelada.

Na sexta-feira foi divulgado o relatório dos traders pela Commodity Futures Trading Comission. Segundo o relatório, os especuladores mantêm 7778 lotes comprados, contra os 11028 do último relatório; as empresas comerciais têm 26125 lotes vendidos e 22742 comprados.

Corretores ouvidos pelo Coffee Break apontaram que a terça começará com o clima de incerteza. " É difícil fazer qualquer tipo de previsão, pois continua o grande dilema sobre o frio no Brasil; como as geadas parecem estar descartadas, continua a espera do mercado" , definiu um corretor.


CDPC realiza reunião extraordinária em Brasília

- Aconteceu nesta segunda, em Brasília, uma reunião extraordinária do CDPC (Conselho Deliberativo da Política do Café), que foi preparatória para o encontro mundial dos países produtores que se inicia hoje. O Conselho considerou que é viável disponibilizar mecanismos de ordenamento, contudo, os aspectos fundamentais relativos ao assunto não foram divulgados, como as metas de exportação, mas o Conselho apontou a viabilidade de implementação de ações efetivas para o controle de fluxo. O membro do CDPC e vice-presidente do CNC (Conselho Nacional do Café) Manoel Bertone, apresentou durante a reunião que existem mecanismos viáveis para o controle, como a utilização de CPR’s que permitiriam o controle sobre a disponibilidade. "Os mecanismos discutidos não apresentaram limitações a livre iniciativa e a possibilidade de utilização de modernos instrumentos de cobertura em bolsa de mercadoria (hedge) e amplo poder de ordenamento de safras bienais como a brasileira" , disse.

Bertone comentou que o déficit de café e a fraqueza do mercado se deve a desconfiança de que na próxima safra o Brasil não tenha condições de controlar o fluxo de comercialização, reservando café para a safra de ciclo baixo que se colherá em 2001. "Caso os países produtores, que discutirão o futuro da comercialização internacional nas políticas cafeeiras cheguem a um denominador comum em termos de metas de exportação e de planos de marketing, o Brasil conseguirá cumpri-las e isso é o que importa" , afirmou Bertone. Ele entende ser fundamental também, o investimento em marketing para o adequado crescimento do mercado, principalmente no que tange ao consumo nos próprios países produtores.

Força política — A reunião do CDPC contou com a presença dos deputados Carlos Melles (MG), Carlos Mosconi (MG), Silas Brasileiro (MG), Francisdo Graziano (SP) e Ricardo Ferraço (ES), que tiveram participação ativa nos debates realizados. O Conselho entende que a implantação de mecanismos para a melhor condução da política cafeeira depende fundamentalmente do Congresso Nacional, de modo que a participação dos deputados é de vital importância.

Dívidas — A prorrogação das dívidas dos produtores, autorizada na última quarta-feira pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) também voltou a ser discutida durante a reunião em Brasília. Os representantes da produção entendem que a decisão deve ser revista à luz daquilo que já foi anteriormente recomendado o pelo CNC e pela CNA (Confederação Nacional da Agricultura) e que tem o apoio da base parlamentar do setor. A dívida da agricultura como um todo também está sendo objeto de análise por parte do governo e a dívida da cafeicultura está sendo incluída nesta análise. Por hora, permanece a decisão do CMN, que prevê o pagamento de 25% da dívida até o dia 31 de julho e o restante até o dia 30 de setembro.


Países produtores iniciam reunião

- Inicia-se hoje em Brasília a reunião dos países produtores de café, que contará com a presença de representantes de todos os países produtores e não só dos filiados à APPC (Associação dos Países Produtores de Café). O Conselho Deliberativo da Política do Café se reuniu ontem para definir a posição brasileira a ser dada na reunião. Leia mais na notícia "CDPC realiza reunião extraordinária em Brasília" . A reunião mundial dos países produtores será realizada no Itamaraty e será aberta pelo vice-presidente da república Marco Maciel. Já estão confirmados 45 países e o tema principal do encontro será a cooperação internacional em café. Espera-se para esta reunião uma definição sobre o futuro da OIC (Organização Internacional do Café); a continuidade do foro depende de uma posição do Brasil, que ameaçou se desligar da entidade no último mês de maio.


Diminui o ritmo das exportações de Uganda

- Uganda deve exportar 350 mil sacas no mês de julho, informou a agência Dow Jones. Esse número representa 16% a menos do que foi exportado em junho e 14% a menos do que o exportado em julho de 1998 e deve-se principalmente aos baixos preços praticados no mercado internacional, segundo a UCDA (Autoridade para o Desenvolvimento do Café de Uganda). Uganda deve exportar na safra 1998/1999 cerca de 3,6 milhões de sacas, o que representa um aumento de 20% em relação a safra 98/97.


Áustria tem aumento na importação em fevereiro

- A Áustria importou 26% a mais de café verde no mês de fevereiro; as informações são do Escritório Austríaco de Informações Estatísticas e foram fornecidas pela agência Dow Jones. Em números de sacas, a importação do país chegou a 5260, o que representa 1090 sacas a mais do que o mesmo período do ano passado. Durante o ano de 99, a Áustria já importou 14,5 toneladas de café verde.


Torrefações americanas não apresentam aumento

- Chegaram a 8,43 milhões de sacas de café verde as torrefações nos Estados Unidos, no período de 1o de janeiro a 26 de junho, segundo informações da agência Dow Jones, com base nos dados da Coffee Publications. Esse número representa praticamente o mesmo volume processado no mesmo período do ano passado (8,44 milhões de sacas de café verde). A semana de 21 a 26 de junho teve o processamento de 335 mil sacas, o que representa 9,8% a mais do que o mesmo período de 98.


Confira os números da Esalq/BM&F

- Na segunda-feira, o preço médio apurado pela Esalq e BM&F foi de R$ 162,65 à vista e R$ 164,11 a prazo. Na região do Cerrado o valor da saca de 60 kg foi avaliado em R$ 163,63, enquanto que no Sul de Minas chegou a R$ 162,71 e o Paulista ficou em R$ 152,22; já na região da Mogiana a cotação atingiu R$ 162,88. Os valores referem-se ao café arábica, tipo 6, bica corrida, bebida dura para melhor.


Temperaturas deverão se manter estáveis

- A terça-feira deverá ter muita nebulosidade, com chuvas esparsas no Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, litoral paulista e centro leste mineiro. Foi o que informou o boletim meteorológico do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, que prevê ainda, que as temperaturas se manterão estáveis durante toda a semana; afastando assim, o perigo de geadas nas regiões cafeeiras. Estão previstas geadas apenas para as região noroeste do Rio Grande do Sul e para a serra catarinense.

Segundo o Centro de Ensino e Pesquisas em Agricultura, da Unicamp, a nebulosidade na região sudeste acontece em virtude de uma frente fria semi-estacionária. O boletim do Centro de Ensino indica que a umidade deve permanecer elevada, com possíveis rajadas de ventos em regiões isoladas.


Chuvas mantém estado de alerta em El Salvador

- As chuvas que afetam El Salvador há mais de uma semana já deixaram mais de 300 desabrigados e fez transbordar os rios da fronteira com a Guatemala. Ainda não há dados que possam averiguar os danos que as chuvas estão causando nas lavouras de café daquele país. Na quarta-feira, o governo salvadorenho já havia decretado estado de alerta por causa das intensas chuvas que assolam o país.

O México também está sofrendo com chuvas intensas e ventos muito fortes. A região de Oaxaca, uma das principais produtoras de café daquele país, já sofreu algumas inundações. Não há informações sobre prejuízos nas lavouras. As informações são da agência Associated Press.


F.O. Licht apresenta números da produção 99/2000

- A agência Dow Jones divulgou dados fornecidos pelo relatório da F.O. Licht, no qual é avaliada que a produção mundial de café de 1999/2000 deve atingir os 102,06 milhões de sacas de café verde. A F.O. Licht apresentou que o consumo mundial no mesmo período deve aumentar em 1,5%, chegando a 104,8 milhões de sacas; já a produção brasileira deve alcançar os 34,7 milhões de sacas, no período 98/99, não havendo ainda uma perspectiva para a safra 99/2000.


www.coffeebreak.com.br
criado em 06/07/1999